Dialectics of Body and Space 2 | 2015

Year: 2015
Number of presentations: 1
Venues: Paralelo 31 – Reverberações da Arte Contemporânea em Pelotas – Pelotas, Brazil.
Length: 1 hour

Year: 2015
Number of presentations: 1
Venues: Paralelo 31 – Reverberações da Arte Contemporânea em Pelotas – Pelotas, Brazil.
Length: 1 hour

  • Description

  • About

A noite, carregando uma mochila nas costas, eu me encaminhei para o prédio do Mercado Central de Pelotas. Ao escolher o face mais escura do prédio histórico – que ocupa uma quadra – tirei da minha mochila 4 novelos de lã e uma lanterna. Lancei  2 novelos em cada poste de luz que se encontrava nos cantos do prédio. Ao andar de um lado a outro sempre iluminava o prédio com a lanterna. Logo após me direcionei ao centro da quadra. Assim, comecei a enrolar os novelos de lã na minha cabeça, começando a enrolar entre a nuca e a boca aberta e conectando meu corpo ao do prédio. Após enrolar bem a boca, passo a enrolar toda sua cabeça e, aos poucos, tiro outras lanternas de mochila, fixando-as com os novelos de lã em minha cabela de modo que conseguisse iluminar o prédio. Eu fico sempre de frente para o prédio. Após fixar 5 lanterna ao meu corpo e ter a cabeça toda enrolada com os fios de lã, solto os novelos e começo a andar para trás, tensionando os fios que me prendem ao prédio. Quando os fios arrebentam, caio ao chão e com uma tesoura corto os fios amarrados em minha cabeça e me levanto, terminando a performance.

Com a performance Dialética do Corpo e Espaço, (DCE) de 2014, iniciei uma série de trabalhos pensando a relação espacial, de arquitetura e com meu corpo. Em geral são espaços que possuem limitações e que exigem um trabalho que se adapte a ele. A Dialética do Corpo e Espaço 2 foi criada especialmente para a mostra Paralelo 31 – Reverberações da Arte Contemporânea em Pelotas. Foi selecionado o prédio histórico do Mercado Central como o local da performance e desenvolvi o trabalho para ele. Assim como a DCE 1, escolhi trabalhar com o novelo de lã devido a sua natureza não agressora em relação a arquitetura. O fato da performance estar programada para acontecer a noite me possibilitou explorar a questão da visualização da arquitetura a noite. Devido a isso escolhi o lado mais escuro do prédio durante a noite. A relação deste trabalho não é só com a arquitetura mas também com a cidade de Pelotas. Após fixar os novelos de lã na arquitetura, começo envolvendo-os entre minha nuca e minha boca aberta. A escolha desta ação está relacionada a história de Pelotas. As pelotas – de onde surge o nome da cidade – eram barcos de fundo arredondados que serviam para carregar o charque para o outro lado do rio. Os escravos carregavam as pelotas puxando pela boca e atravessando o rio a nado.

Social

 

Newsletter

Sign the Fernando Ribeiro's Newsletter to receive informations about his activities.

Fernando Ribeiro

Fernando Ribeiro

Performance artist and curator. Lives and works in Curitiba, Brazil. His work is based on exploring the action in a broad sense. He works as curator on p.ARTE and Bienal de Curitiba.